Como a República Tcheca mudou minha vida


Eu me mudei para Praga no final de 2014. Sou tradutora de inglês para português, e um cliente com quem eu já trabalhava há anos aceitou minha candidatura para uma vaga deles. Não pensei duas vezes quando passei no processo seletivo e li que Praga era a sétima cidade mais segura do mundo. Morando em São Paulo, capital, só queria levar minha família para um lugar mais tranquilo.

Nunca havia estado aqui e vim a trabalho, mas “de mala e cuia”. Minha primeira impressão, ainda no aeroporto, vendo aquelas placas todas numa língua com a qual não tinha a menor familiaridade foi “ai… que besteira que eu fiz…” – mas essa sensação passou logo depois, já no caminho para o hotel.

 

A cidade — linda, antiga e charmosa — me encantou logo de cara.

Com o tempo, conheci pessoas de todas as nacionalidades que, assim como eu, estavam num relacionamento instável com o tcheco, essa língua tão complicada, mas que tínhamos que aprender.

Isso foi há menos de quatro anos e tanta coisa já mudou… Não, ainda não falo tcheco! (risos) Mas já entendo bem, consigo me comunicar nas lojas, fazer compras online em tcheco, aprendi a usar os ingredientes daqui depois de tantos erros (como a vez em que comprei o macarrão instantâneo e depois descobri que era só molho; ou como quando comprei  4 cenouras no supermercado online e recebi QUATRO MAÇOS de cenoura…), mas a persistência é mãe e hoje consigo fazer receitas brasileiras com os ingredientes tchecos numa boa.

 

Outro dia fui a um casamento, e um homem se apresentou contando piadas no palco. Eu fiquei ali, com aquela cara de paisagem (e mais um argentino, perdido como eu) sem entender nada. Até que, de repente, eu entendi a piada! Uma piada simples, curtinha, mas EU ENTENDI! Quando comecei a rir, as pessoas da mesa olharam pra mim achando que estava rindo de qualquer outra coisa, mas eu falei: Rozumím! (“entendi!” em tcheco, mas soou como Galvão Bueno gritando “É tetra!”). E são essas coisinhas que me fazem ter certeza de que, algum dia, conseguirei dominar essa língua. Até porque eu escolhi a República Tcheca como meu lar ad aeternum, aqui me sinto totalmente em casa.

 

Os tchecos têm uma história muito longa, cheia de impérios, guerras, domínios e, claro, o Comunismo. Às vezes tenho a impressão de estar no Brasil na década de 90, com algumas coisas que a gente viveu tanto tempo atrás surgindo aqui agora (tipo Cheetos, que chegou meses atrás, ou Netflix, que chegou ano passado), mas minha qualidade de vida mudou tanto, e pra tão melhor!

 

O transporte público de Praga é maravilhoso, funciona perfeitamente e é muito melhor do que ter carro. Ônibus, bonde ou metrô – é raríssimo ver um vagão lotado. Ainda, é uma cidade bastante “children friendly”, então as mães passeiam com seus bebês e crianças nos carrinhos, andam de transporte público com os carrinhos e até fazem caminhada e academia com as crianças.

 

Quando me mudei para cá, meu filho tinha acabado de completar dois anos. Não poderia pedir lugar melhor para ele crescer. Seguro, internacional, sem consumo desenfreado, com muito incentivo à vida saudável, boa alimentação e esportes. Imaginem só que, quando chega em casa, a primeira coisa que ele pede para comer é cenoura ou maçã. (Não, não tenho influência nisso. Afinal, cresci no Brasil, então minha tendência era a de pegar uma bolacha ou salgadinho pra esperar o jantar, mas ele conseguiu mudar isso em mim).

 

Nas escolas, todos os snacks são frutas, iogurte, pães com cereais, etc. Nas festas de aniversário infantis, em vez de salgadinhos e refrigerante, as mesas são repletas de frutas, tábuas de frios, pipoca e suco.

É raro ver uma criança comendo um salgadinho na rua, mas você sempre as verá comendo uma fruta, cenoura, pepino, um “rohlík” (pãozinho daqui) ou até ervilhas frescas.

Arrisco dizer que até meus gatos são mais felizes aqui, com as quatro estações, já que um adora frio e a outra adora calor. Das ruas de SP para Praga — ah, que chiques esses meus vira-latas! 🙂

Enfim, eu poderia ficar horas escrevendo tudo de bom que encontrei aqui, mas digo apenas para virem visitar esse cantinho tão lindo do mundo. Qualquer época tem seu charme, todas as estações têm sua beleza. Praga é linda e deve ser admirada por sua beleza, povo e história.

 

Thaís Castanheira – Tradutora EN-PT

Menu